Saúde promove ações de sensibilização sobre limpeza das caixas dágua

824

A Gerência de Vigilância Ambiental da Diretoria de Vigilância em Saúde, por meio do programa Vigiágua, intensificará as ações de sensibilização sobre a importância da limpeza das caixas d´água. Será feita capacitação sobre o tema para os supervisores de campos dos agentes de combate às endemias, nesta quarta-feira, 13, às 14 h, na Escola do Servidor, no Centro Administrativo da Prefeitura de Betim.

O objetivo é aliar o combate ao Aedes aegypti e qualidade da água para consumo humano, visto que as caixas d¿água não vedadas constituem ambiente propício para a proliferação do mosquito. “O trabalho diário dos agentes de combate às endemias (ACE’s) compreende também a verificação da condição das caixas d¿água, por isto foi criado um folder com orientações sobre como limpá-las, que será distribuído nas residências durante as visitas”, explica a bióloga e gerente da Seção de Vigilância em Saúde Ambiental, Fábia Ariane e Fonseca

Além de informar aos cidadãos sobre a importância de manter os reservatórios limpos para garantir a qualidade da água para o consumo humano e evitar a contaminação e proliferação de vetores de doenças, os ACEs verificarão também possíveis larvas do Aedes aegypti em caixas d¿água descobertas e, por meio de ação preventiva, eliminarão os focos do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

Programa Vigiágua

O objetivo do programa Vigiágua é fazer a vigilância da qualidade da água que chega do sistema de abastecimento, a fim de garantir que a Copasa está fornecendo água de acordo com o padrão de potabilidade estabelecido no anexo XX, da Portaria de Consolidação nº 05, de 28/09/2017.

A vigilância também é realizada em soluções alternativas de abastecimento de água para consumo humano, como cisternas e poços. A parte intradomiciliar do abastecimento de água é de inteira responsabilidade do proprietário, portanto a sensibilização é importante para que a população compreenda que a qualidade da água que ela consome depende também da higienização dos reservatórios.

Em 2019, já foram coletadas e analisadas mais de 600 (seiscentas) amostras de água, principalmente em locais onde há grande circulação de pessoas e que alberguem populações de risco, tais como hospitais, creches, escolas e asilos. Dessas, 10 (dez) amostras analisadas tiveram resultados insatisfatórios para o parâmetro Coliformes Totais/Escherichia coli, todas coletadas em pontos pós-reservação.

As amostras coletadas nos mesmos locais em pontos antes da reservação (em que a água chega diretamente do sistema de distribuição) tiveram resultados satisfatórios, o que evidencia que a contaminação está presente nos reservatórios (caixas d’água).