Pare de Fugir

146

Certa noite, eu caminhava sozinha em uma rua com pouca iluminação. Havia muitas casas, mas todas estavam fechadas e com as luzes apagadas. Eu caminhava em direção ao meu carro, quando olhei para trás e percebi que um homem se aproximava rapidamente. Eu senti muito medo e, desisti de entrar no carro, temendo que o pior acontecesse. Continuei caminhando e, senti um grande alívio ao avistar uma casa com as luzes acesas, fingi que aquele era o meu destino. De longe notei que havia uma brecha no portão e, rapidamente entrei dizendo em alto e bom som: “Juliana, eu cheguei”.

Eu não sabia quem morava naquela casa, mas agi de maneira familiar, com intuito de afastar o homem que vinha por detrás. Ao entrar, procurava lugares para me esconder. Avistei um homem deitado no sofá, ele ignorou a minha presença. O homem que me seguia entrou em seguida e, a sua presença também foi ignorada.

A perseguição continuou. Eu abria várias portas, me escondia em vários cômodos e, o homem que me perseguia era incansável, ele estava disposto a me encontrar e, o meu medo só aumentava.

Eu já estava exausta e, somente quando parei em um dos esconderijos e me assentei para refletir sobre a situação, com a respiração ofegante e o coração palpitando, “uma chave virou dentro de mim”; eu pensei: “eu estou fugindo porque me faltam habilidades”.

Nesse momento eu acordei. Ufa! Foi apenas um sonho. Eu acordei assustada, dizendo: “Quando me faltam habilidades eu fujo”.

Que experiência incrível! Ao compartilhar, em uma das minhas palestras, sobre esse pesadelo que trouxe uma importante reflexão, as participantes descontraíram dizendo: “típico sonho de Coach”, outras disseram “Como pode? Até dormindo a Thamara se desenvolve”. E, após darmos boas risadas, conversamos sobre o aprendizado adquirido e, é isso que faremos neste momento.

Reflita comigo: em sonho eu me sentia vulnerável, sem preparo, sem habilidades para lidar com o homem que me perseguia, por isso, eu fugia. Também, não seria prudente lutar sem preparo, mas com as habilidades necessárias, eu poderia ter criado estratégias para lidar com a situação, sem o sufoco da eterna fuga.

Isso não acontece apenas em sonho. Na “vida real”, quando nos faltam habilidades é comum que fujamos ou lutemos, como resposta fisiológica a um estímulo ameaçador, seja por ameaças reais ou imaginárias. Vamos entender por que isso acontece.

O Fisiologista americano Walter Cannon escreveu sobre “luta e fuga” durante a década de 1920. Ele percebeu que para lidar com circunstâncias adversas, reações são desencadeadas rapidamente no interior do corpo, mobilizando recursos do organismo. Ou seja, fugimos ou lutamos ao nos encontrarmos em situações desafiadoras; ao nos depararmos com problemas diversos; ao enfrentarmos dificuldades em nossos relacionamentos interpessoais e, também, perante os nossos conflitos internos. Fugimos ou lutamos quando “despejamos” nas pessoas as nossas dores e frustrações, por meio da agressividade e desprezo; quando imputamos culpas aos outros, ao invés de olharmos para dentro e assumirmos nossas responsabilidades; fugimos ou lutamos quando procrastinamos, ao invés de implantarmos ações necessárias para lidarmos com os nossos conflitos e, quando decidimos tapar os olhos para os nossos problemas e, fingimos que nada está acontecendo.

Durante a minha formação em Coaching, eu aprendi que “problema” significa “Falta de habilidade”. Sendo assim, diante dos problemas, a pergunta é: “Quais habilidades me faltam?”.

Para lidarmos com as situações adversas de maneira prudente e saudável, precisamos desenvolver Inteligência Emocional. Segundo Daniel Goleman, a inteligência emocional consiste em cinco habilidades: Autoconhecimento, Autocontrole, Automotivação, Empatia e Habilidades Sociais. Pessoas “emocionalmente inteligentes” são mais confiantes e motivadas, avaliam constantemente suas atitudes e pensamentos, relacionam-se de maneira mais equilibrada, possuem grande capacidade de superação e, têm melhor desenvoltura diante de situações adversas.

Ao buscarmos por desenvolvimento, adquirimos recursos para lidamos com os nossos conflitos e, tornamo-nos capazes de encararmos os desafios com maior prudência e autonomia, assumindo a responsabilidade pelos nossos resultados.

Caso você esteja vivendo circunstâncias de fuga ou luta, está na hora de parar. “Se assente em um lugar seguro”; respire, olhe para dentro, reflita sobre as habilidades lhe faltam e, DESENVOLVA-SE.

Meu nome é Thamara Yanne, eu sou Publicitária, Coach, Graduanda em Psicologia, Palestrante, Empreendedora e Fundadora do Café Mulheres de Negócios e, eu estou aqui para te ajudar em seu processo de desenvolvimento!

Por meio de PALESTRAS GRATUITAS, treinamentos e networking, eu promovo desenvolvimento pessoal e profissional. Vamos conversar um pouco mais? Eu aguardo o seu contato pelo whatsapp 31 98803-4600, será um prazer falar com você.

Thamara Yanne