Homem é preso em Betim suspeito de aplicar golpes em idosos

1249
Delegada Danúbia Helena Soares Quadros, responsável pela investigação. Foto: PCMG/ Divulgação.

Falso motorista de aplicativo se beneficiava da vulnerabilidade das vítimas e cobrava de R$ 700 a até mais de R$ 5 mil por passageiro

Um homem de 39 anos foi preso em Betim nesta terça-feira (12), suspeito de aplicar golpes em pelo menos 15 vítimas. Segundo informações da Polícia Civil, a maioria delas eram idosos. Os golpes eram aplicados na Região Metropolitana de Belo Horizonte, gerando um prejuízo estimado em R$ 50 mil.

Os resultados das investigações apontam que o homem se dispunha a fazer a corrida fora do aplicativo e aproveitava a inocência das vítimas, exigindo assim um pagamento por cartão de crédito.

Em seguida, ele digitava um valor acima do combinado com o passageiro. Uma fita foi colocada em parte da tela da máquina, de forma a impossibilitar a conferência do valor pelo usuário. Conforme as ocorrências já registradas, houve cobranças de R$ 700 a até mais de R$ 5 mil.

A delegada ainda diz que, se questionado sobre a dificuldade de conferência do valor ou quando era proposta outra forma de pagamento, o motorista mudava de postura.

“Nessa hora, ele intimidava as vítimas. Muitas delas relataram que queriam pagar em espécie, pois não estavam enxergando o valor, e ele dizia que não aceitava dinheiro, falava de forma mais ríspida. Vários idosos ficaram com medo e digitaram a senha sem ver o quanto era cobrado”, comenta a delegada Danúbia Helena Soares Quadros, responsável pela investigação.

Os trabalhos começaram em outubro do ano passado pela Delegacia Especializada em Defesa do Consumidor (Decon), a partir de um registro de ocorrência realizada na unidade. De acordo com a delegada, após diversas apurações, a equipe chegou à identificação do suspeito.

Ele utilizava um veículo alugado e teria adquirido a máquina de cartão usada na prática do crime. “Em 3 de dezembro representamos à Justiça pela prisão do investigado. O mandado foi aportado na Decon na segunda-feira (11) e, tão logo, demos o cumprimento”, informou. O carro e o equipamento foram apreendidos na ação policial de hoje.

Outros golpes

As vítimas eram abordadas em rodoviária, hospitais e clínicas médicas. A delegada acrescenta que, anteriormente, em maio de 2020, o homem já havia praticado o golpe utilizando um táxi. Segundo apurado, ele é cadastrado como taxista em Belo Horizonte e não chegou a se cadastrar no aplicativo que se identificava como prestador de serviço.

Para Danúbia Quadros, há possibilidade de novos casos envolvendo o suspeito, inclusive de vítimas que ainda nem tenham percebido ter caído no golpe, por não possuir o hábito de conferir extrato bancário com frequência.

“Orientamos que de forma alguma seja aceita corrida fora do aplicativo, seja ele qual for. As vítimas que foram lesionadas e eventualmente não tenham registrado ocorrência podem procurar a Decon ou a delegacia mais próxima”, disse.

Além disso, o suspeito tem passagens policiais por tráfico de drogas, crime patrimonial e violência doméstica. Ele foi encaminhado ao sistema prisional, ficando à disposição da Justiça. As investigações prosseguem para apurar se há o envolvimento de outras pessoas no esquema criminoso.