Bella como os cachos

265

“Alisa esse cabelo pra ficar mais fácil pra mamãe pentear”

“Fico surpresa como consegue  passar o pente na sua filha”

“Esse cabelo ruim da sua menina com certeza não puxou o seu”

“Conheço uma salão ótimo que alisa essa cabelinho esturricado”

Afirmações tão preconceituosas como também de uma imbecilidade absurda. As crianças são as principais vítimas, os adultos os piores vilões. A sina do cabelo liso já é dilema para os pequenos que, mesmo ainda não saberem muito da vida, já aprendem que o “bonito” pode não ser bem como eles realmente são.

A semana começou com a internet viralizando a história da pequena Bella de apenas 8 anos, vítima da insanidade da madrasta que alisou os cachos da criança. Parece conto de Cinderela. O caso foi narrado pela própria mãe de Bella nas redes sociais onde publicou fotos do rostinho molhado de lágrimas da filha, obviamente da decepção após o fim de semana perturbador na casa do pai.

Posted by Fernanda Taysa on Monday, 2 July 2018

 

Em um trecho da postagem, a mãe destaca: “Semana passada a Bella estava em uma chamada de vídeo com o pai. A mulher dele aparece no vídeo pra conversar com a Bella e me solta uma frase antes mesmo de comprimentá-la ‘Vai prender esse cabelo , Bella’.”

A indignação da mãe foi a mesma dos internautas. O que não faltou foi o apoio para a pequena Bella. A revolta gerou reflexões e aparecimento de casos semelhantes como o da criança: pais que insistem em alterar a identidade visual dos filhos ‘lambuzando’ química alisante nos fios enrolados dos pequenos.

Procurando mais detalhes do caso, encontrei no Instagram da mini blogueira cliques de muito estilo e felicidade exibindo seus cachos castanhos e volumosos. Quem vê não duvida do amor da menina pelos seus cachinhos, sua raíz, sua identidade, um empoderamento contagiante. Sua mãe dizia que seus cachos eram sua verdadeira coroa.

Mas o conto de fadas da princesa Bela se tornou em um triste episódio. Hoje a menina está com a autoestima baixa, segundo a mãe, e ainda muito decepcionada com os fios, agora esticados.

A verdade por trás de toda essa polêmica é a cultura enraizada do padrão liso absoluto que, infelizmente, está fazendo a cabeça das crianças. Não é de hoje que me deparo com garotinhas de escova, prancha, alisamento e até mesmo progressiva. A desculpa de algumas mães é que liso fica mais fácil para pentear, outras já são ‘sinceras’ em afirmar que o cabelo da filha “é ruim demais” e prefere ele mais esticado.

O resultado de toda essa pressão social e familiar é uma criança totalmente descontente com sua própria beleza. Ao invés de serem ensinadas a cultivar o amor próprio, a realidade é que há milhares de pequenos insatisfeitos por não terem um cabelo liso e escorrido como o da coleguinha da escola, por exemplo.

O que não falta são produtos no mercado de cosméticos para os cachos e crespos, tutorias, bloggers para ensinar dicas e truques, mas ainda sim tem adulto passando o pente fino nos cachinhos.

Crianças devem ser crianças se amando do jeito que são: cacheadas, gordinhas, pequenas, negras, brancas, mulatas, de todos os tipos. Aonde vamos parar com tanta ignorância e truculência com as nossas crianças? Elas precisam se entenderem, se amarem e escolherem o que querem ser.

Empoderamento começa desde pequeno, quando a formação da personalidade está a todo vapor. Começa quando a criança fica feliz ao fazer um penteado incrível para ir à escola, quando as pessoas a elogiam pelos caracóis na cabeça, quando ela se vê na foto e fica toda feliz, quando acariciam seus cabelos e ela se sente tão amada.

Empodere, cultive, inspire os pequenos cacheados e encrespados a amarem seus cabelos tão lindos e meigos. Não vamos permitir que outras milhares de Bellas tenham um episódio triste.