Experiências que Edificam” Tema: O que eu posso fazer para ajudar o próximo? | Caroline Celico

892
Foto: Caroline Celico

O que eu posso fazer para ajudar o próximo? Inúmeros gestos de amor. Sabia que com uma singela atitude você pode melhorar a vida de alguém? Isso mesmo! Existem várias formas de prestar ajuda para o outro (a), ser voluntário, doar serviço para ONGs, creches etc.
7,2 milhões de pessoas realizaram trabalho voluntário no Brasil, de acordo com a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O total de voluntários representou 4,3% da população com 14 anos ou mais.

Entre o perfil de pessoas que mais participaram de ações de voluntariado estão as mulheres (5% delas fizeram voluntariado), pessoas com 50 anos ou mais (5%) e pessoas que possuem ensino superior completo (8%).

A maior parte do trabalho voluntário (79,9%) ocorreu em instituições religiosas, sindicatos, condomínios, partidos políticos, escolas, hospitais e asilos.

Através deste assunto pensei em entrevistar alguém que trabalha na área ha um bom tempo sabe muito bem das dificuldades que existem no meio.

Confira entrevista exclusiva com a Caroline Celico para o canal “Experiências que Edificam”. Caroline é idealizadora do projeto “Amor Horizontal”, uma instituição que ajuda diversas crianças.

Lêia abaixo a resposta da entrevistada Caroline Celico.

1) Como surgiu a ideia de iniciar a Fundação Amor Horizontal?

Sempre doei de forma segura, através de produtos. A partir dessa dinâmica criei a plataforma que uniu o doador, a produtos (que a Fundação compra com até 60% de desconto) e entregamos para Instituições idôneas que foram verificadas através de todos os critérios do selo FAH.

2) O porquê do nome?

O amor entre as pessoas, o amor ao próximo, que é a melhor maneira do relacionamento puro e completo também com Deus. Não se pode falar de comunhão com Deus sem amar aqueles a nossa volta.

3) Qual sua visão sobre ações sociais?

Precisamos delas para trazer mais oportunidades de futuro para as crianças em situação de vulnerabilidade social. Se até países “de primeiro mundo” tem, porque o Brasil seria diferente?

 

4) Carol, deixe uma mensagem para aqueles que não sabe como ajudar e querem ajuda alguém.

Toda a ajuda é bem – vinda, ela gera a cultura da doação, que faz com que as pessoas tenham maior empatia umas com as outras, melhorando a qualidade de vida da sociedade como um todo.