Em Betim, ex-funcionários do centro de distribuição da Amazon reclamam de demissão durante a madrugada  

3406
Foto: Divulgação Amazon

Segundo os profissionais, dispensa teria sido de forma desrespeitosa. Amazon diz desconhecer denúncias

Um grupo de ex-funcionários demitidos do centro de distribuição da Amazon, em Betim, reclama de demissão coletiva e, segundo eles, de forma desumana a dezenas de colaboradores da empresa. De acordo com os trabalhadores, durante o expediente de trabalho, na madrugada da última segunda-feira (5), mais de 50 funcionários tiveram as suas atividades interrompidas para assinarem uma carta de dispensa.

Como não bastasse a demissão coletiva, eles também criticam a falta de empatia por parte dos encarregados. Além de comunicarem o desligamento no meio da madrugada, os chefes obrigaram os funcionários demitidos a devolverem as luvas e os calçados de proteção da empresa, deixando parte deles com os pés descalços.

O grupo relatou, ainda, que empresa está sempre contratando novos funcionários prometendo contratos nos períodos de 60 ou 90 dias. Porém acaba demitindo os trabalhadores antes mesmo de o contrato terminar.

Indignada, a ex-funcionária Diane Paiva, de 18 anos, criticou a forma com que a multinacional tratou os profissionais. “Além de ser desrespeitosa, por causa do horário, foi muito humilhante. A empresa faz muitas contratações para alcançar as metas e quando acaba o período das promoções, demite o pessoal sem dó. Fomos surpreendidos de uma maneira bem desumana. Após o comunicado da dispensa, a gente nem pôde ficar mais nas dependências internas da empresa. Quem estava de carro foi embora, mas quem dependia do transporte fretado, teve que esperar até às 5h da manhã para ir embora. Todo mundo exposto à baixa temperatura da madrugada”, contestou.

Diane ainda relatou que alguns colegas de trabalho eram pais de família e acreditaram que poderiam crescer profissionalmente na empresa. “Todos nós trabalhávamos muito e queríamos ser efetivados. Por ser meu primeiro emprego, me esforcei ao máximo, dei o meu melhor, mas infelizmente não adiantou. Fiquei muito decepcionada”, contou.

Em nota, a Amazon alegou que não tem conhecimento sobre o caso, mas que irá investigar as denúncias e tomar as medidas necessárias.

Confira a nota na íntegra

“Nada é mais importante do que a segurança e o bem-estar dos nossos colaboradores, que são a alma e o coração da experiência que proporcionamos ao nosso cliente. Na Amazon, nossos colaboradores fazem um trabalho incrível atendendo às necessidades essenciais dos clientes e são uma das grandes fortalezas da empresa. Sempre cuidaremos do bem-estar deles e sempre que necessário tomaremos as medidas apropriadas para lhes dar a oportunidade de construir uma carreira na Amazon Brasil, desde o primeiro dia. Temos muito orgulho em contribuir com a economia do país por meio da geração de uma vasta gama de empregos com salários competitivos e benefícios competitivos, em conformidade com as leis aplicáveis. Nós não temos conhecimento destas alegações, mas elas parecem muito sérias e iremos investigar a fundo para tomar as medidas necessárias”