Cloroquina poderá ser usada em casos graves de Covid-19

531
Cloroquina. Foto: Reprodução/ Internet.

Medicamento será disponibilizado apenas para pacientes internados. Ministério da Saúde alerta que o remédio não é indicado para prevenir a doença e nem tratar casos leves

Começaram a ser distribuídos para os Estados nesta quinta-feira (26) 3,4 milhões de unidades dos medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina. A entrega é feita pelo Ministério da Saúde, que librou o uso dos remédios para pacientes em estado grave por causa da Covid-19.

Segundo nota divulgada pela pasta, ainda não há evidências científicas suficientes que comprovem a eficácia dos medicamentos no tratamento contra a doença. Porém, “há estudos promissores que demonstram o benefício do uso em pacientes graves”.

“Esse medicamento já provou que tem ação na evolução do ciclo do vírus, mas os estudos em humanos estão em curso. Essa é uma alternativa terapêutica que estamos dando aos profissionais de saúde para tratarmos esses pacientes graves que estão internados”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

De acordo com informações disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, pelo protocolo serão cinco dias de tratamento apenas para pacientes em internação hospitalar. Os dois remédios serão um complemente aos demais suportes utilizados no Brasil, como assistência ventilatória e medicações para os sintomas, como febre e mal-estar.

“Tanto a cloroquina e a hidroxicloroquina não são indicadas para prevenir a doença e nem tratar casos leves”, frisou o Ministério, em nota.

O ministro fez ainda um alerta às pessoas que vão às farmácias em busca da cloroquina: “Quero fazer um pedido à população: não usem esse medicamento fora do ambiente hospitalar. Esse medicamento tem muitos efeitos colaterais que podem prejudicar a saúde”, concluiu Mandetta.

Medicamentos dessa classe terapêutica já são disponibilizados no SUS para tratamentos de outras doenças, como a malária, lúpus e artrite reumatóide. Até o momento, o Ministério da Saúde esclarece que não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo coronavírus.

Com informações do Ministério da Saúde.