Cinco erros fatais na administração de uma empresa familiar

232
Foto: Pixabay

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) e do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), mais de 90% das empresas constituídas no país são familiares. Apesar de serem consideras um dos principais pilares da economia – representando cerca de 65% do PIB e 75% da força de trabalho, pesquisas apontam que de cada 100 empresas familiares abertas e ativas, apenas 30 sobrevivem à primeira sucessão e cinco chegam à terceira geração.

Por esta razão, abordamos cinco entre tantos erros fatais na administração de uma empresa familiar que resultam diretamente no fracasso do empreendimento, à saber:

  1. Dinheiro pessoal x dinheiro

Empresarial

 O erro número um e talvez o mais comum nas empresas familiares está na “mistura” do dinheiro da empresa com dinheiro pessoal dos sócios. Neste caso, os sócios utilizam o dinheiro da empresa como sendo o seu, bem como pagam contas da empresa com o dinheiro pessoal. Este é um grande erro! Essa prática precisa ser evitada ao máximo, pois essa “mistura” dificulta o controle financeiro da empresa, não permitindo saber quanto recurso de fato é da empresa e quanto é dos sócios! O ideal é que se tenha um registro, ainda que no velho e bom livro de caixa. Além disso, é necessário ter uma conta corrente para o empreendimento, bem como estipular a retira mensal dos sócios através do pró-labore.

  1. Nepotismo empresarial

O segundo erro está no Nepotismo, o emprego de familiares. Se a empresa é familiar, natural empregar familiares, desde que que estes possuam, habilidades e perfil profissional aos cargos pretendidos. A empresa precisa profissionalizar-se em detrimento da mera ocupação de cargos por familiares, especialmente se tratando de cargos e funções estratégicas. O sucesso do empreendimento está diretamente ligado ao seu time de profissionais daí a importância da avaliação de sua avaliação.

  1. Falta de conhecimento

Outro quesito não menos importante que contribui para o fracasso de qualquer empresa, especialmente a familiares está a falta de conhecimento do seu negócio. Antes de constituir uma empresa, é necessário fazer uma pesquisa de mercado, conhecer o ramo de atuação, os concorrentes, os produtos e serviços, além do público alvo (clientes).

  1. Falta de planejamento e gestão

A falta de planejamento e gestão é uma característica da maioria das empresas familiares que se apoiam na pessoa dos familiares, no “jogo de cintura”, nas “soluções caseiras”, na condução do negócio. Geralmente a confiança nos familiares dá lugar ao bom planejamento e a gestão, a consequência quase sempre é o fracasso da empresa no curto/médio prazo.

5. Conflitos pessoais

Os conflitos pessoais é outro aspecto bastante comum na empresa familiar, afinal, o pai, o irmão, o tio, o primo, a esposa, os filhos dentre outros jamais perderão o parentesco quando de suas atividades profissionais. O problema é quando essa relação conflitosa extrapola os limites do profissionalismo, através do excesso de intimidade entre os familiares e dos conflitos pessoais que desmotivam todos os demais colaboradores (não familiares), que por consequência não produzem como deveriam, num clima organizacional pesado. Os conflitos pessoais não podem entrar na empresa! É preciso que resolva todos e quaisquer conflitos pessoais fora dela.

Estes cinco erros são fatais, pois poderão “matar” a empresa. Existem outros tantos erros fatais que também contribuem para o insucesso do negócio; tais como a Péssima Qualidade dos Serviços e Produtos, o Atendimento Precário, a Ausência de Metas (vendas/produção), além dos fatores externos. O ideal é que os sócios busquem a boa gestão através da capacitação empresarial e que construa uma equipe forte e competente, com políticas claras e difundidas; MISSÃO, VISÃO E VALORES.

 

3 Comentários

  1. Essa matéria me fez lembrar de duas empresas nas quais trabalhei. Foi um desafio! Na primeira minha maior dificuldade era lidar com as retiradas que a filha do dono da empresa fazia em meu caixa. Minha “barriga gelava” quando fazia o fechamento e estava faltando dinheiro.
    Já na segunda, a mais recente que trabalhei, os desafios eram lidar com a questão familiar, o parentesco. Infelizmente as pessoas não sabiam separar o profissional do pessoal, como diz bem o texto.

  2. O texto está muito útil para que se possa depreender o que fazer numa empresa familiar.
    Os problemas abordados são os que ocorrem em todas elas.
    Difícil mesmo é convencer os mandatários a implementar a estrutura empresarial necessária.